terça-feira, 22 de agosto de 2017

Abt Vogler





Would that the structure brave, the manifold music I build, 
Bidding my organ obey, calling its keys to their work, 
Claiming each slave of the sound, at a touch, as when Solomon willed 
Armies of angels that soar, legions of demons that lurk, 
Man, brute, reptile, fly,—alien of end and of aim, 
Adverse, each from the other heaven-high, hell-deep removed,— 
Should rush into sight at once as he named the ineffable Name, 
And pile him a palace straight, to pleasure the princess he loved! 

Would it might tarry like his, the beautiful building of mine, 
This which my keys in a crowd pressed and importuned to raise! 
Ah, one and all, how they helped, would dispart now and now combine, 
Zealous to hasten the work, heighten their master his praise! 
And one would bury his brow with a blind plunge down to hell, 
Burrow awhile and build, broad on the roots of things, 
Then up again swim into sight, having based me my palace well, 
Founded it, fearless of flame, flat on the nether springs. 

And another would mount and march, like the excellent minion he was, 
Ay, another and yet another, one crowd but with many a crest, 
Raising my rampired walls of gold as transparent as glass, 
Eager to do and die, yield each his place to the rest: 
For higher still and higher (as a runner tips with fire, 
When a great illumination surprises a festal night— 
Outlining round and round Rome's dome from space to spire) 
Up, the pinnacled glory reached, and the pride of my soul was in sight. 

In sight? Not half! for it seemed, it was certain, to match man's birth, 
Nature in turn conceived, obeying an impulse as I; 
And the emulous heaven yearned down, made effort to reach the earth, 
As the earth had done her best, in my passion, to scale the sky: 
Novel splendours burst forth, grew familiar and dwelt with mine, 
Not a point nor peak but found and fixed its wandering star; 
Meteor-moons, balls of blaze: and they did not pale nor pine, 
For earth had attained to heaven, there was no more near nor far. 

Nay more; for there wanted not who walked in the glare and glow, 
Presences plain in the place; or, fresh from the Protoplast, 
Furnished for ages to come, when a kindlier wind should blow, 
Lured now to begin and live, in a house to their liking at last; 
Or else the wonderful Dead who have passed through the body and gone, 
But were back once more to breathe in an old world worth their new: 
What never had been, was now; what was, as it shall be anon; 
And what is,—shall I say, matched both? for I was made perfect too. 

All through my keys that gave their sounds to a wish of my soul, 
All through my soul that praised as its wish flowed visibly forth, 
All through music and me! For think, had I painted the whole, 
Why, there it had stood, to see, nor the process so wonder-worth: 
Had I written the same, made verse—still, effect proceeds from cause, 
Ye know why the forms are fair, ye hear how the tale is told; 
It is all triumphant art, but art in obedience to laws, 
Painter and poet are proud in the artist-list enrolled:— 

But here is the finger of God, a flash of the will that can, 
Existent behind all laws, that made them and, lo, they are! 
And I know not if, save in this, such gift be allowed to man, 
That out of three sounds he frame, not a fourth sound, but a star. 
Consider it well: each tone of our scale in itself is nought; 
It is everywhere in the world—loud, soft, and all is said: 
Give it to me to use! I mix it with two in my thought: 
And, there! Ye have heard and seen: consider and bow the head! 

Well, it is gone at last, the palace of music I reared; 
Gone! and the good tears start, the praises that come too slow; 
For one is assured at first, one scarce can say that he feared, 
That he even gave it a thought, the gone thing was to go. 
Never to be again! But many more of the kind 
As good, nay, better, perchance: is this your comfort to me? 
To me, who must be saved because I cling with my mind 
To the same, same self, same love, same God: ay, what was, shall be. 

Therefore to whom turn I but to thee, the ineffable Name? 
Builder and maker, thou, of houses not made with hands! 
What, have fear of change from thee who art ever the same? 
Doubt that thy power can fill the heart that thy power expands? 
There shall never be one lost good! What was, shall live as before; 
The evil is null, is nought, is silence implying sound; 
What was good shall be good, with, for evil, so much good more; 
On the earth the broken arcs; in the heaven, a perfect round. 

All we have willed or hoped or dreamed of good shall exist; 
Not its semblance, but itself; no beauty, nor good, nor power 
Whose voice has gone forth, but each survives for the melodist 
When eternity affirms the conception of an hour. 
The high that proved too high, the heroic for earth too hard, 
The passion that left the ground to lose itself in the sky, 
Are music sent up to God by the lover and the bard; 
Enough that he heard it once: we shall hear it by and by. 

And what is our failure here but a triumph's evidence 
For the fulness of the days? Have we withered or agonized? 
Why else was the pause prolonged but that singing might issue thence? 
Why rushed the discords in, but that harmony should be prized? 
Sorrow is hard to bear, and doubt is slow to clear, 
Each sufferer says his say, his scheme of the weal and woe: 
But God has a few of us whom he whispers in the ear; 
The rest may reason and welcome; 'tis we musicians know. 

Well, it is earth with me; silence resumes her reign: 
I will be patient and proud, and soberly acquiesce. 
Give me the keys. I feel for the common chord again, 
Sliding by semitones till I sink to the minor,—yes, 
And I blunt it into a ninth, and I stand on alien ground, 
Surveying awhile the heights I rolled from into the deep; 
Which, hark, I have dared and done, for my resting-place is found, 
The C Major of this life: so, now I will try to sleep. 



ROBERT BROWNING





Abt Vogler is written in the voice of an actual historic personage, as are many of Browning’s dramatic monologues.  Vogler was a composer and musical innovator; in this poem, Browning imagines him aged, growing more infirm, meditating on the purpose and value of his life.  This poem lies directly before a poem that is, I think, slightly more famous in Browning’s body of work, Rabbi Ben Ezra.  In both of these luminous poems, Browning reflects on finding peace in old age, a comfort in what has been accomplished and a trust in God for the future, both in this world and out of it.  The two poems make wonderful companion pieces, both being suffused with the kind of optimism that might seem maudlin, or even senile, if someone less talented than Browning tried to express it. 

Vogler realizes that many of his musical achievements will not outlive him and even those that do will not be enough to assure that he is remembered.  Vogler is right about this; an aficionado of classical music, I was still introduced to Vogler through Browning and he is rarely mentioned in any other context outside of very small circles.  Vogler is also not so blind as to believe that he’s achieved any kind of perfection in his work or in his life.  He sees his grand achievement as still “broken arcs.”  He sees himself as a man who has been able to bring his grand inspiration into actual being only sporadically and only up to a point.  His work has never quite been the triumph in this world that it has been in his mind and in his soul.  There isn’t a creative person in the universe who will fail to understand this, save perhaps Browning’s version of Andrea del Sarto, who feels himself to have achieved a kind of perfection at least.  But it’s the curse of all other artists to forever be striving for an ideal that cannot quite be reached.  Vogler is no del Sarto; he has done many things of which he is proud, but he isn’t arguing for his canonization.

Yet, even with this pragmatic and clear-eyed perspective, Vogler is able to find peace and comfort in the life he has lived.  He has done what he could, as Christ said of the woman with the alabaster box.  He has believed in good and in God and he believes in them still, even as his talents begin to atrophy with age, even as death approaches.  The poem is gifted with two astoundingly moving passages in particular.  

In the first, Vogler returns to his faith in God and his steadfast belief that God will ultimately be just, that the ultimate fate of the universe will be, in God’s hands, for good.  Vogler unabashedly looks for a new life after this old one has passed away in a heaven where all goods that were only partial on this earth will be finally completed. 

The second is the closing stanza of the poem.  In it, Vogler takes himself through several chord changes in his mind, reflecting on the art of music and the technique of it too.  He closes with one of the most satisfying resolutions in the history of poetry, stating that, as in his music he has brought every piece he has composed to its necessary resolution, so too he brings himself and his life.  He closes, he says, resting in the “C Major of this life.”  Any musician will understand the power of that central chord, that central resting place in music.  It’s a thought so beautiful that it seems strange that it hadn’t already been expressed.  No one can deny the absolute power of the resolving chord, not even in this post-rock era, when songs often meander away into electronic dissonance or simply fade out in progress.  We love those songs, sure, but there’s something undeniably, absolutely perfect about that rock solid chord that resolves a piece of music.  It’s a place we all understand intuitively and a feeling no other chord but the proper one can deliver.  Pray God this, like Abt Vogler, like Rob Browning, that all our themes end there.



Adam Roberts




Osho






Começa a ficar consciente de tudo o que normalmente acontece inconscientemente. Por exemplo, raiva, inveja, orgulho... e a tua consciência se aprofundará.

Confiança não é acreditar que vai dar tudo certo, mas sim que tudo está certo.

Nunca tomes uma dificuldade negativamente. Encontra alguma coisa positiva nela. A mesma pedra a bloquear o caminho, pode funcionar como um degrau para veres melhor.

Não importa se te amam ou te criticam, te respeitam, te honram, ou te difamem, que te corroam ou te crucifiquem; porque a maior bênção que há na existência é seres tu mesmo.

Nós ficamos preocupados desnecessariamente. Todas as preocupações são fúteis, porque aquilo que é para acontecer, vai acontecer.

Aceita a tua solidão. Aceita a tua ignorância. Aceita a tua responsabilidade, e então observa o milagre acontecer. Um dia, de repente, te verás sob uma luz totalmente nova, pois nunca antes olhaste para ti mesmo. Nesse dia tu realmente terás nascido. Antes disso, o que ocorreu foi apenas um processo de pré-nascimento.

Espiritualidade não é procurar o fantástico no dia a dia da realidade material, mas compreender que a realidade material é composta pelo fantástico da espiritualidade.

Estejam no mundo mas não sejam dele. Vivam no mundo mas não permitam que o mundo viva dentro de vocês. Estar no mundo, viver no mundo, viver totalmente, sem ganância e sem desejos, porque todos os desejos vos distraem do viver, todas as ambições sacrificam o presente do viver, todas as ambições sacrificam o vosso presente. Não sejam gananciosos, porque a ambição leva-vos para o futuro; não sejam possessivos, porque a posse mantém-vos apegados ao passado. O Ser Humano que quer viver no presente precisa de livrar-se da ganância, da posse, da ambição, dos desejos.

A arte da meditação é fazer as tuas perguntas desaparecerem, não é dar-te respostas.



 Osho





segunda-feira, 21 de agosto de 2017

audiomachine - The Great Unknown

                                               


E esta vai ser a energia dos próximos 6 meses.
É o eclipse número 22 na série Saros 145, e terá a magnitude 1,0306.
Chegou a hora!!!!
Bora lá!

Não se esqueçam de fazer a meditação às 19:11H de Lisboa (15:11H de Brasília)
Hora do apogeu máximo do eclipse.
Todos juntos!
Para libertarmos o Planeta Terra, a nossa Pachamama, e impedir que qualquer anomalia plásmica (Yaldabaoth) permaneça conectada, de alguma forma, ao nosso Planeta.




.................estado de total ausência de resistência interior





É verdade que só uma pessoa inconsciente tentará usar ou manipular as outras pessoas, mas também é verdade que só uma pessoa inconsciente pode ser usada e manipulada. 
Se você resistir ou lutar face ao comportamento inconsciente dos outros, torna-se você próprio inconsciente.
Porém, a rendição não significa permitir que pessoas inconscientes o usem.
De modo nenhum.
É perfeitamente possível dizer «não» com firmeza e clareza a uma pessoa ou afastar-se de uma situação e estar num estado de total ausência de resistência interior ao mesmo tempo. 


Eckhart Tolle




Canção de Embrulhar





boa noite meninos não

não levantar da cama

não ir pé ante pé ver os pais ao

quarto diz que eles são quatro foles

agarrados uns aos outros ar

quejando diz que é o amor

ou quejando diz que é

o pai com uma coisinha assim

a meter um recado na caixinha que a mãe

tem diz que não que não é a da

costura que é aquela onde se

guardam os meninos antes de se poder

comprar o berço e eles poderem

nascer para o amor dos seus pais.



Alexandre O’Neill





domingo, 20 de agosto de 2017

Faço votos para que aprendas a amar as tempestades em vez de fugir delas






O pássaro e o homem tem essências diferentes.

O homem vive à sombra de leis e tradições por ele inventadas;

o pássaro vive segundo a lei universal que faz girar os mundos.

Acreditar é uma coisa; viver conforme o que se acredita é outra.

Muitos falam como o mar, mas vivem como os pântanos.

Muitos levantam a cabeça acima dos montes;

mas sua alma jaz nas trevas das cavernas.

A civilização é uma arvore idosa e carcomida, cujas flores são a
cobiça e o engano e cujas frutas são a infelicidade e o desassossego.

Deus criou os corpos para serem os templos das almas.

Devemos cuidar desses templos para que sejam dignos da divindade que neles mora.

Procurei a solidão para fugir dos homens, de suas leis, de suas tradições e de seu barulho.

Os endinheirados pensam que o sol e a lua e as estrelas se levantam dos seus cofres e se deitam nos seus bolsos.

Os políticos enchem os olhos dos povos com poeira dourada e seus ouvidos com falsas promessas.

Os sacerdotes aconselham os outros, mas não aconselham a si mesmos,
e exigem dos outros o que não exigem de si mesmos.

Vã é a civilização. E tudo o que está nela é vão.

As descobertas e invenções nada são senão brinquedos com a mente se diverte no seu tédio.

Cortar as distâncias, nivelar as montanhas, vencer os mares, tudo isso não passa
de aparências enganadoras, que não alimentam o coração e nem elevam a alma.

Quanto a esses quebra-cabeças, chamados ciências e artes, nada são senão cadeias douradas com os quais o homem
se acorrenta, deslumbrados com seu brilho e tilintar.

São os fios da tela que o homem tece desde o inicio do tempo sem saber que, quando terminar sua obra, terá construído a prisão dentro da qual ficará preso.

Uma coisa só merece nosso amor e nossa dedicação, uma coisa só…

É o despertar de algo no fundo dos fundos da alma.

Quem o sente não o pode expressar em palavras.

E quem não o sente, não poderá nunca conhecê-lo através de palavras.

Faço votos para que aprendas a amar as tempestades em vez de fugir delas.



Kahlil Gibran




A menina que não sabia sentir






A mãe da Rita morreu no dia em que ela nasceu. Na mesa da sala há uma fotografia tirada nesse dia, em que a mãe da Rita, muito pálida, a abraça, de olhos fechados e com uma lágrima cintilante a dançar entre pestanas.

A Rita foi criada pelo pai. O pai da Rita conhecia bem os perigos do mundo, e por medo de a ver magoada, criou-a, como ele dizia, “como um homem”. Ele acreditava que os homens sobreviviam melhor ao mundo se lhe fossem impermeáveis. Ele não deixava que o mundo lhe tocasse. E ele não tocava no mundo. Nem sempre era fácil. Mas o pai da Rita sabia que mais difícil ainda era sentir as dores que se sentem quando se toca no mundo, mesmo que seja muito ao de leve.

Quando, no infantário, a Mariana disse à Rita que já não era mais amiga dela, a tristeza invadiu-a. Mas quando o pai a veio buscar, não a deixou chorar. Quando a Rita pediu ao pai que deixasse a luz do quarto acesa durante a noite, ele não a autorizou a sentir medo, e apagou-a na mesma. E quando a Rita pedia para ver desenhos animados, o pai dizia-lhe que lesse ou fizesse trabalhos de casa extra, porque era mais útil.

A Rita gostava muito do pai. O pai ensinava-a a ser forte e a não depender de ninguém. Ensinava-a a controlar as emoções e, por causa disso, a Rita era bem mais corajosa que as outras meninas da turma dela. E não era só corajosa. Era a melhor da turma a tudo, da matemática ao português, das ciências à educação física. Isto porque o pai não deixava que a Rita se distraísse com disparates, como os desenhos animados. A Rita tinha a letra mais bonita, os cadernos mais limpinhos e a cabeça mais organizada.

Quanto mais crescia, mais parecida com o pai a Rita se tornava. Não gostava que chorassem perto dela, porque a Rita cresceu a acreditar que era mais prático encontrar soluções em vez de chorar os problemas. Não gostava de usar palavras como “magoar”, ou “amar”, porque expressavam emoções que tocam demasiado no mundo. E, acima de tudo, a Rita não gostava de pedir desculpa, porque pedir desculpa admite culpa, e se a Rita tivesse culpa então tinha fraquezas também. E toda a gente que a conhecia sabia que a Rita não gostava de fraquezas.

Um dia, quando já era adolescente, a Rita conheceu um rapaz. Embora já tivesse conhecido vários rapazes antes deste, o pai incluía o tema romance debaixo do toldo dos “disparates”, por isso a Rita nunca tinha tido namorado. Mas este rapaz era diferente dos outros, e sem saber porquê, a Rita teve vontade de esticar a mão para o mundo, apanhar a palavra amar e dançar com ela pela noite fora. Mas amar era quase um sinónimo de vulnerabilidade. Então a Rita não se deixou amar.

Uns anos depois o pai levou a Rita ao altar. Nesse dia, de braço dado, ambos se emocionaram, mas nenhum se atreveu a chorar por medo do que o outro pudesse pensar. O homem que a Rita escolheu era muito inteligente. Era forte, determinado, bonito. Mas no fundo do poço que era o coração da Rita, ainda estava o rapaz que ela conheceu em adolescente, o único que tinha merecido a palavra amor, mas que nunca a tinha ganho. Era mais fácil assim. Amar o marido seria a maior das vulnerabilidades.

Quando o pai morreu, a Rita chorou sozinha no quarto de banho, com a porta fechada e a água a correr. A Rita só chorava sozinha. Mas nesse dia pensou no pai, na vergonha que ele teria se a visse assim. Então lavou a cara, encheu o peito de ar com sabor a luto e abriu a porta de volta para o pragmatismo.

A Rita e o marido seguiram juntos pela vida, lado a lado, sem nunca deitar uma lágrima. Tiveram filhos, que a Rita ensinou a não tocar no mundo, nem ao de leve. E foram crescendo todos com alergia às emoções e sem medo de nada.

Os anos passaram rápido demais. E um dia, quando a Rita acordou, apercebeu-se que tinha envelhecido. A pele das mãos tinha enrugado e a da cara descaído. Não era fácil andar, ou sentar, ou levantar. E o pior de tudo era que, de vez em quando, a Rita não conseguia evitar tocar no mundo. Tinha vivido tantos anos nele que se tornava impossível rejeitar a forma como ele chamava por ela. E de cada vez que o fazia, a Rita sentia-se fraca e envergonhada.

Os netos gostavam da avó Rita e iam lá a casa lanchar quando o horário lhes permitia. Neste dia, a Rita sentou-se ao sol. Sentiu o calor invadi-la como se tivesse entrado num banho de banheira. As mãos, sempre frias, aqueceram. E dentro do peito da Rita, qualquer coisa tinha começado a derreter e a borbulhar.

O neto que a tinha ido visitar nesse dia abriu a porta para a varanda e veio sentar-se ao seu lado.

“Estás triste, avó?” perguntou.

A Rita levou as mãos à cara e sentiu-a húmida. As lágrimas deslizavam por entre as rugas como se estas fossem socalcos de rua. Da garganta saltou-lhe um soluço que não foi capaz de segurar.

“Não, filho.” Respondeu-lhe a Rita. “Estou feliz.”

O neto estendeu os braços para a Rita como o pai costumava fazer. A Rita estendeu os dela de volta e encaixaram-se um no outro. Dos olhos da Rita saíam os medos e as tristezas de toda uma vida. E quanto mais saíam, mais espaço havia dentro da Rita para as coisas boas de toda uma vida. Aquele abraço do neto tinha aberto as portas. Era o mundo que a abraçava.



CONSTANÇA FREIRE DE SOUSA




sábado, 19 de agosto de 2017

O FUNERAL





Na noite do funeral
eles abraçaram-me,
beijaram-me, mesmo esses
que habitualmente não beijam.
Apoiaram-me e perguntaram
se precisava de soporíferos,
estimulantes,
um xerez ou companhia para a noite.

Cada noite é um funeral
mas ninguém vem para me abraçar.
Ninguém pergunta como as coisas vão
se preciso de companhia para a noite,
um xerez, um soporífero.

Porque é apenas um dia como tantos
que morreu, e todos
temos que gerir isso o melhor que pudermos.


MARGARETA EKSTRÖM





MEDITAÇÃO DA UNIDADE ~ ECLIPSE SOLAR DE 21 DE AGOSTO DE 2017






É hora de agir de novo!
É hora assumirmos o destino do nosso mundo com as nossas próprias mãos!
Todos concordamos que o processo de libertação planetária está a demorar demasiado tempo.
Aqui está a nossa oportunidade de acelerarmos colectivamente o processo.
Portanto, vamos aproveitar a oportunidade do eclipse Solar do dia 21 de Agosto para criarmos um portal através do qual unificaremos a nossa Consciência e iluminaremos o campo energético ao redor do planeta.

Torne isto viral!
Partilhe com todos os que conhece!
Publiquem nas vossas páginas e blogues.
Convide grupos espirituais para se juntarem a nós.
Se conhece um meio de comunicação alternativo, pode dar-lhes a conhecer este artigo.
Pode criar um grupo no Facebook para o seu grupo local de pessoas que vão fazer isto na sua zona do mundo.
Também precisamos de um grupo principal no Facebook para este evento.
Pode criar um vídeo sobre isto e publicar no Youtube.

Estudos científicos confirmaram os efeitos positivos das meditações em massa na sociedade humana, pelo que então cada um de vós que participe nesta meditação pode realmente ajudar a aproximar-nos do Evento e da Divulgação Completa.



Esta meditação ajudará as forças da Luz a ancorarem a energia da Luz na superfície do planeta para fortalecer a Rede de Luz que é necessária para acelerar o processo da Divulgação Integral e da Ascensão. O número de pessoas que meditarem é o factor com mais influência, e que está ao alcance da população humana da superfície, para acelerar o processo.

Podemos alcançar a massa crítica de 144 mil pessoas a meditarem! 
Isso criar uma reacção em cadeia massiva no campo energético, por todo o mundo. 
O foco será nos Estados Unidos, onde é necessária muita cura.







O quadro astrológico para a nossa meditação mostra um poderoso e grande trígono entre o centro galáctico / Saturno / Lilith em Sagitário, Eris / Urano em Carneiro e Marte / Nó Lunar / Sol / Lua em Leão. O núcleo deste grande trígono é o exacto grande trígono do Centro Galáctico a 28 graus de Sagitário, e Urano a 28 graus de Carneiro e o eclipse Sol / Lua a 28 graus de Leão.

No eclipse, a energia do fogo eléctrico da libertação fluirá do Centro Galáctico (o Pleroma) através de todo o Sistema Solar e será canalizada através de Urano e através do eclipse do Sol / Lua, todos localizados em sinais zodiacais de fogo. Portanto, a nossa meditação no momento do eclipse tem o potencial para desencadear um enorme avanço na superfcie do planeta, pois é o momento da ligação mais directa com o Centro Galáctico.



Este será o primeiro eclipse desde 1918 cujo percurso atravessará os EUA continentais.
Esse eclipse é uma óptima oportunidade para tomarmos a decisão de criar a Unidade.
A Unidade dos indivíduos despertos é o catalisador mais poderoso para a libertação planetária.
Por essa razão, Corey Goode e muitas outras pessoas estão a juntar forças para reunirmos a massa crítica de pelo menos 144 mil pessoas a fazerem essa meditação no momento exacto.



O percurso da penumbra do Sol será visível primeiramente perto de Salem, no Oregon, às 18:18H de Lisboa (14:18H de Brasília) e sairá perto de Charleston, na Carolina do Sul, ás 19:47H de Lisboa (15:47H de Brasília). Para as pessoas na parte ocidental dos EUA, a fase da penumbra total do eclipse já terá terminado quando a meditação começar. A meditação começará imediatamente antes do momento do apogeu máximo do eclipse e as pessoas no centro dos EUA estarão a meditar durante o período da escuridão total. As pessoas na parte oriental dos EUA poderão observar o eclipse total após a meditação.

O mapa meteorológico mostra que as pessoas na parte ocidental dos EUA têm a maior probabilidade de realmente verem o eclipse: 





Vamos fazer esta meditação no momento do máximo do eclipse Solar na segunda-feira, 21 de Agosto, ás 19:11H de Lisboa (15:11H de Brasília).






Instruções:

1. Use sua própria técnica para alcançar um estado relaxado de Consciência.

2. Indique a sua intensão de usar esta meditação como uma ferramenta para acelerar o processo de harmonização e de Unidade para o planeta Terra e para os seus habitantes.

3. Visualize um pilar da Luz que emana do Sol Central Galáctico, passando por todos os seres de Luz no interior do nosso Sistema Solar, através do Sol e da Lua eclipsados e depois pelo seu corpo até o centro da Terra. Visualize outro pilar da Luz que se eleva do centro da Terra e, depois, através do seu corpo e para o céu, para todos os seres da Luz no nosso Sistema Solar e na nossa galáxia. Estar agora sentado em dois pilares de Luz, e a Luz flui para cima e para baixo simultaneamente. Mantenha estes pilares de Luz activos durante alguns minutos.



4. Agora visualize uma suave energia feminina divina de cura e cor-de-rosa a curar todas as pessoas do planeta dos seus traumas passados, trazendo a Paz, Harmonia, Compreensão, Abundância e Unidade. Visualize esta suave Luz cor-de-rosa que cura as mentes e os corações de todas as pessoas de todo o mundo. Visualize todos os Trabalhadores e Guerreiros da Luz, e todos os que buscam a verdade a trabalharem em Unidade para a criação da Nova Terra. Visualize a população da Terra a comemorar e a participar alegremente na criação da nossa nova realidade, onde todos podem ter tudo o que precisam e podem escolher de livre vontade viver como desejam.





O tempo sugerido para a duração da meditação é de 15 minutos.



Cobra
in, Portal 2012


                                     







sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Soprónia Insuflávia





Soprónia Insuflávia, ó minha noiva cauchutada,

minha câmara-de-ar nupcial,

coito do coitado, coutada do solitário

cervo que nos galhos trazia à dependura

o retrato da que diziam verdadeira…

Verdadeira és tu, Soprónia! Machucada,

logo repões a glória da tua carne

na opulência das tuas formas,

as mesmas que, pelo catálogo, escolhi.

Porque fui eu que, à velha maneira, te escolhi

e a teus pais te paguei para poder trazer-te

a este quarto onde, dando novos sentidos à estafada canção,

o amor é uma coisa maravilhosa!

Que obediência devemos a práticas que não sejam as mais antigas?

Nós não fazemos amor, como diz a de hoje tão dessorada gente;

nós, está bem de ver, FORNICAMOS!

Não precisamos de Kahn, Egas Moniz ou Freud,

sequer de Reich, pensador orgasmático,

nem dessa trupe que dá pelo nome de As Femininistas

e que ao homem, quando quer, fecha obscenamente as pernas,

como santola que, já no prato, se recusasse.

Tão-pouco necessitamos de dar as nossas mãos

e fazer rodas infantis em casa de senhores idosos

para que a língua-de-sogra neles se desenrole

e eles digam:”- Te adoro!”

Somos absolutamente pela moral.

… … … … … … … … … … … … … … … … … … …

Ao Algarve, Soprónia, que o tempo tástupendo!

Desinflada, meto-te na mala.

Em Albufeira, recobro a forma do meu amor

e, naquele mar que nasceu para estar deitado,

deitamo-nos perdidamente a amar!




Alexandre O’Neill